Duas Vezes Na Floresta Escura (Caio Riter)

duasvezesnaflorestaescura-caio-riter-biruta

O livro infantojuvenil recheado com suspense e investigação

A Editora Gaivota traz nessa obra de Caio Riter, um livro de investigação e crimes envolvidos entre adolescentes. Uma floresta misteriosa e um assassinato estão movimentando a pequena cidade do interior do Rio Grande do Sul.

duasvezesnaflorestaescura-caio-riter-biruta- contracapa

Susana, uma adolescente do ensino médio, mudou-se com seu pai, de Porto Alegre para uma cidadezinha do interior do Rio Grande do Sul. Deixou para trás sua avó e sua melhor amiga, Clara. Sua mãe, Helena, foi a “culpada” por essa mudança, pois foi fazer mestrado nos Estados Unidos, deixando a família no Brasil.

A primeira impressão de Susana ao chegar na nova cidade era que tudo parecia bem parado. Sua casa era mobilhada com móveis antigos e no final da rua havia uma floresta escura e misteriosa. Seu pai era o novo gerente do banco e com isso, todos da cidade já sabiam quem eram os novos moradores. Isso fez com que Susana relutasse ainda mais contra a nova rotina.

Nos primeiros dias, Susana não conseguiu ir a escola, por desmotivação. Sem aviso, César, um menino de sua classe, estranho e cheio de questionamentos, apareceu em sua casa para saber o motivo da menina não ter dado as caras ainda. Susana achou aquilo bem invasivo e passou a observar o garoto.

Depois de dias frequentando a escola, Susana fez amizade com os irmãos Caetano e Bethânia, seus pais eram hippies e adoradores da Tropicália, por isso os nomes. E César não se tornou um amigo, pois ele era muito estranho, só sabia reclamar e se isolar. Na turma também tinha a filha do prefeito, a intitulada metidinha e mais bonita, que se envolvia com o brigão da escola. (Bem padrão, né? kkk)

duasvezesnaflorestaescura-caio-riter-biruta-detalhes2

Certo dia, Susana e seus amigos, incluindo Clara que tinha ido visitá-la, estavam caminhando pela cidade, quando avistaram César entrando na floresta escura. Minutos depois, o garoto brigão da escola, saiu correndo do centro da floresta e todos escutaram um grito. Curiosos, adentraram a mata e noticiaram um corpo degolado no chão.

Todos olhavam aquela cena incrédulos e saíram correndo para chamar por ajuda. Quando a cidade inteira já estava sabendo do acontecido e os policiais e o delegado já estavam no local do assassinato, Susana e seus amigos perceberam que a arma do crime, um facão de cozinha, havia sido retirada dali. O criminoso voltou ao lugar da ação para tentar limpar os fatos.

Por mais que o delegado tenha pedido ao grupo de adolescentes para não se envolverem na investigação do crime, obviamente que eles não resistiram e continuaram tentando ligar os fatos. O livro se desenrola, boa parte, sobre os dias que se seguem e a brincadeira de detetive se torna real.

duasvezesnaflorestaescura-caio-riter-biruta-lateral

O livro é bem curtinho, como vocês podem ver na foto acima, por conta disso, a história não fica enrolada, pelo contrário, é bem rápida e a solução do crime acontece sem delongas. Por um lado, achei que poderia ter mais acontecimentos para envolver o suspense. Por outro, o autor conseguiu enganar bem quem é o verdadeiro assassino.

Li o livro em algumas horas, durante um voo e uma escala enquanto estava na Califórnia. É uma leitura bem leve e com o suspense, não dá vontade de largar mesmo, é pra ler de uma vez só! hahaha

duasvezesnaflorestaescura-caio-riter-biruta-capa

Aspectos Físicos

O livro é bem fininho e fácil de carregar pra cima e pra baixo, pois quase não ocupa espaço e peso. O tamanho dele (em altura) é um pouquinho maior do que os livros padrão, bem pouquinho mesmo.

Amei as cores escolhidas! Com a edição das fotos, o azul ficou mais claro do que realmente é. O tom é levemente esverdeado. Amei os contrastes do verde/azul com o preto. Dentro do livro, também encontramos essa mesma paleta de cores. Há páginas com ilustrações lindas, dando um descanso na leitura.

A fonte e espaçamento são ótimos. Tem espaço demais nas páginas até, devido a grande presença de diálogos. As folhas não são amareladas, mas são levemente acinzentadas, o que eu amei! Achei um contraste bem interessante!
Também há diversas notas de rodapé que interagem o externo (nosso mundo) com os fatos do livro.

duasvezesnaflorestaescura-caio-riter-biruta-detalhes duasvezesnaflorestaescura-caio-riter-biruta-prologo

Amei ❤

O fato de Machado de Assis ser apresentado no livro e ter diversas referências de livros e citações do autor.

As referências de MPB e tropicália ❤

O autor ser brasileiro e trazer bem a realidade para as páginas. Eu adoro ler livros bons e ver referências brasileiras neles! E o melhor, saber que foi escrito por um brasuca!

Considerações finais

Eu confesso que esperava mais tensidão no suspense. Achei bem tranquilinho, então é recomendado para todas as idades. A linguagem é bem tranquila e indicaria esse livro para ser livro paradidático em escolas!

E ainda não consegui associar o título com a história. Não sei se as duas vezes na floresta são referências a quantidade de vezes que os adolescentes vão ao lugar, ou se são as vezes que Susana se sentiu atraída a entrar na densidão de árvores. Se vocês lerem, me digam o que acham? hahaha

Essa é uma resenha de muito amor em parceria com a Editora Gaivota <3

suculentas-e-cactos-mini
159 Páginas | Literatura Infantojuvenil | Folhas acinzentadas | Editora Gaivota| ISBN: 978-85-64816-52-7 | Versão fininha | Capa paperback | Acabamento em brochura | 4,5 de 5 estrelinhas

Onde comprar: Lojinha da Gaivota

Espero que vocês tenham gostado!
Qualquer dúvida deixem nos comentários que responderei com o maior prazer!
Muito obrigada pelo carinho, pessoal! <3
Sigam o #DP nas redes sociais:
YouTube | Instagram | Fanpage no Facebook | Twitter | Flickr | Skoob
Um beijo e um queijo com amor !

Comentários

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Protected by WP Anti Spam